Descubra as vantagens e desvantagens de se aderir a uma linha de capital de giro e saiba qual é a melhor alternativa para obter esse recurso para o seu negócio!

Às vezes, para manter o negócio na ativa, superar alguma dificuldade financeira ou expandir as operações, a solução acaba sendo recorrer a um empréstimo de capital de giro.

Contudo, nem sempre essa modalidade de crédito é a melhor opção para o empreendedor conseguir recursos, pois existem algumas desvantagens que podem afetar a operação e o caixa da empresa.

Para que você entenda melhor o assunto, separamos adiante as principais características desse tipo de empréstimo. Também listamos suas vantagens e desvantagens e uma ótima alternativa para que você possa comparar e analisar a melhor linha para o seu negócio. Portanto, não deixe de conferir!

O que é capital de giro?

Capital de giro corresponde ao montante financeiro necessário para financiar a manutenção e continuidade das operações do empreendimento. Esse valor é empregado para adquirir/conservar estoques, pagar fornecedores (dívidas, produtos de revenda e aquisições de insumos), quitar tributos etc.

Ele também serve para sustentar o financiamento aos clientes — vendas a prazo —, já que parcelamentos significam maior tempo para entrada de recursos no caixa. O próprio termo indica uma quantia que “gira”, ou seja, está relacionado às contas que movimentam as operações, rotinas e o próprio dia a dia da organização.

Adicionalmente, o conceito de capital de giro está ligado à necessidade de dinheiro, mais especificamente o montante de que a companhia precisa para honrar seus compromissos. Em termos contábeis, o capital de giro corresponde ao resultado do ativo circulante da empresa menos o seu passivo circulante.

Como funcionam as linhas de capital de giro?

Muitas instituições bancárias oferecem linhas de capital de giro para empreendedores e empresas em busca de recursos de terceiros para sustentarem suas operações. Esse tipo de empréstimo empresarial é projetado para atender às necessidades e exigências econômicas da gestão de um negócio.

Desse modo, nem sempre é preciso justificar a finalidade na qual o dinheiro será empregado. Além disso, boa parte dos empréstimos de capital de giro consiste em opções de crédito voltadas para o curto e médio prazo.

Como funcionam as taxas praticadas pelos bancos?

As taxas de juros das linhas de capital de giro em bancos privados geralmente são mais elevadas, pois incluem muitas taxas e tarifas, especialmente se não houver muitas garantias. Nesses casos, esse tipo de crédito se torna mais arriscado para as instituições credoras.

Naquelas em que é possível obter taxas melhores, especialmente em bancos públicos, podem haver muitas exigências e critérios para que os valores sejam liberados. Isso pode dificultar e tornar o processo mais demorado.

Há instituições em que é possível solicitar — com ela intermediando — capital de giro para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Contudo, a taxa de juros dependerá da forma de apoio, de cada item financiado e do porte (da empresa) de quem faz o pedido do crédito.

Nesse caso, a taxa de juros é formada pelo custo financeiro acrescida da taxa do agente financeiro e da taxa do BNDES que, por sua vez, é constituída pela taxa de intermediação financeira e pela remuneração do BNDES.

Em apoios diretos, solicitados nessa entidade, a taxa de juros é formada pelo custo financeiro mais a taxa do BNDES, que aqui é integrada pela taxa de risco de crédito mais a remuneração do banco. É preciso ficar atento a todas essas taxas, pois elas podem encarecer o empréstimo de capital de giro.

Quais as vantagens desse tipo de empréstimo?

A obtenção de capital de giro deixa o seu negócio preparado para lidar e superar os desafios financeiros e imprevistos.

Além disso, você não terá de ceder parte do controle da sua empresa a terceiros, o que ocorreria se você buscasse recursos junto a investidores ou fundos de Venture Capital. Isso porque teria de dar uma participação acionária ou cotas em troca do montante.

Quais as desvantagens desse tipo de empréstimo?

A primeira delas é a burocracia, já que a instituição bancária analisa vários documentos e apresenta uma série de restrições. Há também a necessidade de se ter um bom relacionamento com o banco, o que nem sempre ocorre.

Por outro lado, se você tiver uma boa relação, é preciso ficar atento a cada novo empréstimo solicitado. Isso porque maiores poderão ser os riscos assumidos pelo credor, que provavelmente se tornará mais criterioso.

Atrasos ou uma eventual falta de pagamento comprometem a relação com a instituição financeira, o que pode não ser bom se o seu negócio depende dela para executar muitas transações econômicas. Você também deverá dar garantias para obter o crédito e esperar para que sejam aprovadas, já que existem requisitos em relação a elas que normalmente precisam ser atendidos.

O tempo para pagamento também costuma ser menor, o que é próprio desse tipo de empréstimo — geralmente, o crédito concedido deve ser pago no curto ou médio prazo. Se você precisa de muito tempo para organizar as contas e estruturar bem a sua empresa, o período apertado para quitar as parcelas do crédito poderá sufocar o seu caixa e deixar o negócio em apuros.

Quais as alternativas ao capital de giro?

Existem muitas alternativas ao crédito voltado para capital de giro. Uma delas é o empréstimo coletivo, também conhecido como peer-to-peer lending. Ele é mais viável para pequenas e médias empresas pois, além dos custos reduzidos, é mais desburocratizado e ágil, podendo ser obtido mais facilmente.

O peer-to-peer lending é feito de pessoa para pessoa, sendo que quem tem recursos empresta para quem precisa de capital para o seu negócio. Tudo isso ocorre sem o intermédio de uma instituição financeira tradicional, em uma plataforma virtual que conecta investidores e empreendedores interessados em capital.

Quais as vantagens do empréstimo coletivo?

O empréstimo coletivo tem muitas vantagens, destacando-se principalmente a facilidade em sua obtenção. Além disso, há também as taxas que podem ser mais atrativas do que as de empréstimos de capital de giro tradicionais.

Graças às inovações tecnológicas e ao fato de toda a solicitação ocorrer em um ambiente digital, você não precisará enfrentar filas e reuniões longas para conseguir o dinheiro de que precisa. O peer-to-peer lending também é uma solução vantajosa para negócios que normalmente não conseguiriam crédito com instituições bancárias convencionais.

Como visto, o capital de giro é importante para a empresa manter suas operações no cotidiano e honrar suas obrigações. Por isso, é importante calculá-lo adequadamente e saber onde buscar valores para compô-lo.

No entanto, o modo dele ser obtido precisa ser pensado para que a organização não assuma uma dívida que comprometa o seu caixa. Nesse caso, vale a pena considerar o empréstimo coletivo como possível fonte desses recursos.

Quer conhecer mais sobre as opções de empréstimo coletivo da BIVA? Entre em contato com nossa equipe para que possamos ajudá-lo!