Descubra como o planejamento adequado de capital de giro pode evitar complicações na hora de quitar o 13° salário dos colaboradores da empresa

Para o seu negócio pagar o 13° salário dos funcionários sem precisar passar por apertos no caixa, é fundamental planejar o capital de giro necessário com antecedência. Por isso, a viabilização financeira para honrar com essa obrigação por parte da empresa ou do empresário deve ser um dos principais objetivos financeiros para o fim do ano.

Dessa forma, poderá evitar complicações no cumprimento das obrigações salariais/trabalhistas.

Nesse planejamento é preciso incluir um cronograma de economia e de levantamento de recursos, os instrumentos necessários para controlar o capital e as estratégias adotadas para otimizar o caixa.

Quer saber mais sobre como se preparar para o momento de quitar o 13° da sua equipe? Então, continue lendo este post!

Como gerir recursos a fim de facilitar o pagamento do 13º?

Faça um bom controle do fluxo de caixa

É imprescindível ter um controle adequado do fluxo de caixa, bem como registrar todas as receitas e as despesas da companhia. Com base nos lançamentos, você terá uma noção melhor sobre as saídas e as entradas mais comuns.

A partir dessas informações, será possível estimar quanto de capital de giro é necessário para manter o negócio funcionando e quais contas demandam mais recursos.

Isso facilita a análise da folha salarial do seu time de funcionários. Afinal, sabendo exatamente quanto ela custa todo mês, será mais fácil projetar o capital que precisará ser economizado ou levantado para pagar o 13° dos trabalhadores.

Em suma, você conseguirá montar uma reserva com maior grau de acerto, de modo que seus recursos deem conta desse salário extra no final do ano.

Estabeleça prioridades

É essencial estabelecer prioridades financeiras para a empresa honrar com suas obrigações. Entre elas, lembre-se de incluir a formação de uma reserva para pagar o 13° dos funcionários. Ela deve ser constituída periodicamente por meio de uma determinada quantia (semanal, mensal, semestral etc.) separada justamente para quitar essa conta.

Outros procedimentos ajudam direta ou indiretamente para que você consiga economizar recursos que poderão ser aplicados no 13°. Por exemplo: otimizar o estoque passando a adotar métricas e estratégias de giro de mercadorias mais eficientes que reduzam custos.

Alongar o prazo das dívidas ou quitá-las antecipadamente para obter descontos também são ações válidas para a diminuição de gastos. Dessa forma, os recursos economizados podem ser aplicados na sua reserva para o 13° salário.

Corte gastos supérfluos

Para reduzir as despesas da empresa, é preciso cortar gastos supérfluos, ou seja, aqueles que não são necessários para o funcionamento do negócio. Eles podem ser encontrados em objetos ou em atividades que geram apenas status dentro do empreendimento ou que servem para agradar momentaneamente.

Por exemplo: uma companhia que oferece carros de luxo ou modelos mais caros para colaboradores dirigirem, enquanto poderia entregar automóveis mais populares sem afetar suas atividades. Os custos economizados com a compra ou aluguel desses carros geram um montante financeiro considerável.

Defina orçamentos

O recursos da empresa precisam ser distribuídos adequadamente entre os setores, o que pode ser feito por meio de orçamentos. Nesse processo, é importante separar desde o começo quantias que serão necessárias para o pagamento do 13° dos colaboradores.

Isso deve ser realizado, preferencialmente, ao longo de todo o ano. Desse modo, cada orçamento de cada ação principal ou departamento servirá como guia para a organização da gestão financeira. Isso colabora para a prevenção de gastos desnecessários ou exagerados.

Vale a pena optar pela antecipação de recebíveis para pagar o 13°?

O processo de antecipação de recebíveis converte duplicatas, vendas parceladas no carnê ou cartão de crédito, cheques pré-datados de clientes, entre outras opções em recursos líquidos imediatos. Dessa forma, a empresa consegue honrar suas obrigações financeiras de curto prazo, mediante descontos nos valores das opções ou dos títulos empregados.

Em suma, a antecipação de recebíveis adianta o recebimento de dinheiro que você só conseguiria no futuro. Esse processo geralmente é feito por securitizadoras, factorings ou entidades financeiras que oferecem soluções do tipo. Elas assumem a responsabilidade pelo recebimento das quantias dos títulos negociados (descontados ou antecipados).

Quando a empresa precisar de dinheiro para pagar o 13° dos colaboradores, ela poderá recorrer a essa alternativa. No entanto, isso precisa ser feito com planejamento para não descapitalizar o negócio futuramente, quando o dinheiro que entraria seria necessário para adquirir insumos, pagar fornecedores, entre outras operações.

Os encargos e taxas também costumam ser maiores do que outras modalidades de crédito.

É possível contar com financiamento para capital de giro a fim de quitar o 13°?

Para proceder com o pagamento do 13º salário dos funcionários, você pode recorrer ao capital de terceiros, ou seja, a financiamentos ou a empréstimos. Nesse caso, a dica é buscar opções de crédito mais baratas do que as convencionais para diminuir os custos dos recursos obtidos.

Uma solução é o empréstimo coletivo ou peer to peer lending. Essa modalidade funciona de modo on-line, sendo que pessoas que contam com recursos (investidores) emprestam a empreendedores que buscam capital de giro.

Suas taxas são normalmente mais baratas do que as praticadas por bancos e outras instituições financeiras. O processo de análise e liberação também é mais ágil e desburocratizado.

Por que o planejamento anual e do capital de giro é importante?

O planejamento financeiro anual, bem como dos recursos que integrarão o capital de giro, é essencial para que a empresa fique em dia com o 13º. Juntar ou adquirir o montante necessário para quitar com essa obrigação salarial deve ser algo estruturado, de preferência com base em uma reserva econômica alimentada periodicamente.

Dessa forma, evita-se recorrer a opções ou a fundos emergenciais para pagar o 13º dos colaboradores, o que poderia incorrer em riscos e encargos maiores. Por outro lado, uma boa organização das finanças, com base em orçamentos e correta alocação de recursos, facilita a gestão e o pagamento desse salário.

Há ainda a possibilidade de o pagamento do 13° ser feito em 1 ou 2 parcelas, o que pode ajudar a empresa a estruturar melhor o orçamento de acordo com os seus planos.

Como visto, contar com um bom capital de giro para o pagamento do 13° é essencial para os negócios não terem problemas financeiros e trabalhistas na hora de honrar com essa obrigação.

Sendo assim, é importante realizar um bom planejamento ao longo do ano para equilibrar as contas e guardar recursos. Até mesmo a obtenção de um empréstimo deve constar nesse planejamento, como uma alternativa para conseguir recursos ou como ação especial caso não se junte o capital de giro necessário para o 13° salário dos funcionários.

Ficou com alguma dúvida sobre como obter ou gerir capital de giro para pagar o 13° da sua equipe? Conte para nós no campo de comentários!

Escreva um comentário

Pin It