Entenda como as aquisições de estoque dependem de um bom capital de giro e saiba como gerenciar melhor essa relação!

As aquisições de estoque feitas pela empresa têm relação direta com a disponibilidade de capital de giro em seu caixa. É por meio desse recurso que a organização realiza compras de insumos e mercadorias para revenda ou produção, mantendo-os em seus almoxarifados/armazéns.

O nível dos recursos financeiros disponíveis também pode ser afetado pelos produtos alojados no inventário, de modo que se torna importante saber relacionar e equilibrar esses dois itens.

Para isso, separamos algumas informações adiante sobre como o capital de giro impacta ou é impactado pelas aquisições de estoque. Se você quiser saber mais sobre o assunto, continue lendo!

Como o capital de giro é usado para a continuidade das operações da empresa?

Capital de giro consiste nos recursos necessários para financiar a continuidade dos processos e das operações da companhia. Esse valor é empregado no pagamento de fornecedores, nas compras de maquinários e em aquisições de estoque. Também é usado para quitação de tributos, acerto de salários, entre outras obrigações da empresa.

É importante ter uma boa reserva de capital de giro para manter as atividades organizacionais até que entrem no caixa as receitas obtidas com vendas à vista e parceladas. Aliás, como o próprio termo expressa, capital de giro tem a ver com as contas que fazem as operações do empreendimento “girar”, ou seja, movimentando os seus negócios.

Qual é a relação do capital de giro com as aquisições de estoque?

Como visto, um dos usos do capital de giro é justamente para a compra de materiais que formarão o estoque. Esse, por sua vez, pode ser vendido para gerar caixa, que será empregado no pagamento de obrigações. Consequentemente, ele pode se converter em mais capital de giro.

Também é importante entender que algumas organizações podem ter diferentes tipos de inventário. Fábricas e indústrias normalmente contam com estoques de insumos, produtos inacabados e mercadorias prontas para venda, por exemplo.

Altos níveis de estoque elevam a necessidade de capital de giro, tanto para a aquisição dos produtos quanto para a manutenção deles em armazéns. Nesses casos, os recursos serão aplicados em refrigeração, pagamento de contas de energia elétrica, quitação de salários etc. Isso impossibilita o emprego desse dinheiro em outras áreas por meio de investimentos ou pagamento de despesas/custos.

Por outro lado, estoques baixos podem afetar negativamente as vendas por conta de indisponibilidades de produtos, especialmente se a procura aumentar muito em um curto intervalo de tempo.

Como fazer uma avaliação correta do estoque e de seu giro habitual?

Para que não haja nenhum dos casos extremos citados, é preciso executar uma boa gestão do capital de giro. Dessa forma, os itens armazenados precisam ser corretamente mensurados e utilizados para a minimização de fatores imprevisíveis.

Por exemplo, quando há consumo de matéria-prima acima do esperado ou quando ocorrem atrasos na produção. Nessas situações, contar com um bom estoque pode ajudar a manter por mais tempo as vendas e a própria fabricação de mercadorias.

Para conseguir avaliar corretamente o giro do estoque, é importante contar com um bom sistema de gestão que monitore a entrada, a saída e a movimentação de insumos e produtos no inventário.

É preciso registrar, fiscalizar e gerenciar esses materiais de ponta a ponta, ou seja, desde quando chega a matéria-prima até as vendas feitas aos consumidores. Isso é necessário também para evitar furtos, extravios e outros problemas que possam afetar as mercadorias.

Também é preciso contar com indicadores de desempenho específicos da área, além de mensurar o ciclo econômico e o ciclo operacional da empresa. Deve-se igualmente observar e controlar os prazos de validade e a obsolência de mercadorias/insumos. Produtos que vencem ou que se tornam ultrapassados representam perdas, o que significa que as possibilidades de receitas diminuem.

Com o controle e o acompanhamento correto do inventário, você obterá informações importantes para otimizar a administração da empresa e realizar o equilíbrio dessa conta com outras operações organizacionais.

Também será possível obter referências para a comparação dos seus resultados com os dos concorrentes, especialmente os líderes do seu segmento de atuação. Você também saberá melhor:

  • qual porcentagem do capital de giro direcionar para as atividades de estocagem;
  • como fazer previsões de vendas;
  • como identificar as mercadorias que saem mais e geram maior volume de vendas;
  • como estimar as aquisições de estoque após identificar o quanto de insumo precisa comprar dos fornecedores em períodos determinados;
  • como planejar melhor a produção.

Como fazer um planejamento adequado para a viabilização financeira?

A empresa que deseja melhorar sua gestão de capital de giro e sua aquisição de estoques precisa não só de um sistema e de indicadores, mas também de planejamento e de um conjunto de práticas voltadas à otimização desses processos. Dessa forma, ela poderá viabilizar as finanças necessárias para o inventário sem comprometer mais recursos do que o necessário. Para isso, veja algumas dicas:

Tenha um bom entendimento da sua cadeia produtiva

Tenha um entendimento de todos os processos da cadeia produtiva, pois é preciso estimar a evolução e o tempo de cada etapa e fluxo de trabalho. Isso ajuda a enxergar gargalos operacionais, que podem ser solucionados, e também a entender melhor a demanda de matéria-prima em cada fase da produção.

Controle todo o estoques

Monitore todos os aspectos do inventário. Esse procedimento é vital para gerir a compra de insumos ou comercialização de produtos acabados. Sem o devido controle, a companhia pode se perder no processo de aquisição de estoque e venda, o que poderá impactar em sua rentabilidade.

Desenvolva projeções de vendas

Desenvolva projeções de vendas para o curto e o médio prazo, considerando o potencial de vendas no seu mercado e a sazonalidade. Assim será possível prever com antecedência a necessidade de compra de matéria-prima para atender à demanda existente. Se ela for maior do que capacidade produtiva, você poderá criar um plano mais eficiente de estocagem de mercadorias acabadas.

Otimize sua relação com fornecedores

Avalie a possibilidade de distribuir suas aquisições de estoque entre vários fornecedores. Dessa forma você diminui os riscos operacionais e ainda pode otimizar sua produção com aqueles que entregam insumos em intervalos de tempo menores, uma vez que isso permite a redução de estoque, isto é, o capital imobilizado.

Verifique atentamente o prazo de entrega dos seus atuais fornecedores, pois quanto mais atrasos, maior é a necessidade de estoque. Nesses casos, os produtos armazenados funcionam como uma espécie de margem de segurança, sendo comercializados quando há falta ou demora na entrega de matérias-primas/mercadorias acabadas.

Veja opções de crédito mais em conta para obter capital de giro

Pesquise sempre opções de crédito mais baratas do que os empréstimos tradicionais caso seja necessário contratar capital de giro de terceiros para fazer aquisições de estoque ou pagar outras contas. Nesse caso, avalie a possibilidade de fazer um empréstimo coletivo.

Capital de giro é necessário para se ter uma empresa saudável do ponto de vista financeiro. Graças a ele, é possível realizar aquisições de estoque que ajudem o setor de produção e a área comercial a atuarem corretamente.

Contudo, ambos precisam ser adequadamente equilibrados, de modo que o inventário receba somente os recursos necessários para a sua manutenção conforme as estratégias e os objetivos do negócio.

Quer saber mais sobre capital de giro, aquisições de estoque e outros assuntos do mundo dos negócios? Então curta a nossa página no Facebook!