Para o empreendedor é importante sempre estudar o mercado, ter um planejamento estratégico e boa gestão empresarial, em especial do capital de giro.

O capital de giro é essencial para a saúde financeira da sua empresa.

O capital de giro consiste em uma reserva de recursos a serem utilizados nas necessidades financeiras da empresa durante o exercício de suas atividades. Referidos recursos costumam ficar alocados no caixa da empresa, nas contas a receber e no estoque, por exemplo.

Se a sua empresa paga mercadorias e recebe dos clientes a prazo, tem sazonalidade nas vendas ou nos serviços — isto é, não tem o faturamento uniforme em todas as épocas do ano — ou fica vulnerável a mudanças bruscas na economia, uma boa gestão do capital de giro é especialmente importante.

Neste post vamos mostrar por que o capital de giro e sua boa gestão são essenciais para a saúde financeira de sua empresa. Continue a leitura e saiba também como utilizar o capital de giro e as consequências que sua falta pode gerar.

Mas como o capital de giro se relaciona com meu negócio?

Mesmo que não intencionalmente, é comum que o capital de giro represente cerca de cinquenta por cento dos ativos de uma empresa. Veja alguns exemplos de como podemos tangibilizar a relação do capital de giro com a condução de uma empresa:

  • Toda empresa que mantém estoque precisa investir na recomposição dele de tempos em tempos;
  • O estoque de uma empresa é formado e mantido em função das necessidades do mercado consumidor e está sempre sofrendo mudanças de investimentos;
  • Quanto maior a necessidade de investimento nos estoques, mais recursos financeiros a empresa deverá ter, o que justifica a importância do capital de giro;
  • Além disso, quanto mais prazo você oferece ao cliente ou quanto maior for a parcela de vendas a prazo no seu faturamento, mais recursos financeiros a empresa deverá ter.

Portanto, as decisões de compras e vendas não podem ser tomadas sem nenhum critério. O empresário deve fazer uma análise dos recursos financeiros da empresa disponíveis.

Se o recurso não existe, a empresa terá que optar por empréstimos, o que acarreta em pagamentos de juros, diminuindo a margem de lucro do negócio.

Administrar o capital de giro da empresa significa avaliar o momento atual, as faltas e as sobras de recursos financeiros e os reflexos gerados por decisões tomadas em relação às compras, vendas e à administração do caixa.

Fatores que levam ao aumento da necessidade por capital de giro

  • Redução de vendas
  • Crescimento da inadimplência
  • Aumento das despesas financeiras
  • Aumento de custos

Cálculo do capital de giro

O chamado capital de giro líquido, ou CGL e o fluxo de caixa estão diretamente ligados. O CGL é influenciado pelo volume de vendas, compras, custo das vendas, prazos médios de estocagem e pagamento de compras.

A fórmula matemática para cálculo do capital de giro líquido é:

CGL = AC – PC

AC: ativo circulante (caixa, bancos, aplicações financeiras, contas a receber, etc.)
PC: passivo circulante (fornecedores, contas a pagar, empréstimos, etc.)

A determinação do volume dessa reserva financeira deve levar em conta o grau de proteção que se deseja para o capital de giro.


Para calcular o Capital de Giro você precisa:

  • Manter um fluxo de caixa detalhado
  • Saber os recursos (lucros) da empresa
  • Definir o tempo de duração do recurso para sua constante reposição

Dicas para prevenir a insuficiência do capital de giro

  • Mantenha o controle da inadimplência
  • Renegocie dívidas para o longo prazo
  • Reduza custos e despesas

 

O capital de giro é um fundo de recursos

O capital de giro é uma espécie de fundo de recursos, que serve como prevenção para muitos tipos de problemas. É uma quantia que você mantém no caixa ou em uma conta bancária e que vai servir para garantir a saúde das suas contas diárias.

Boa parte das empresas costuma guardar um valor equivalente a 3 meses de despesas fixas — aquelas que não dependem das vendas dos seus produtos ou serviços para existir, como aluguel, funcionários e contas de água e luz, por exemplo.

Assim, você fica resguardado e pode sobreviver por algum tempo, mesmo que sua empresa não venda nada.

Essa é uma situação hipotética e bem pessimista, claro, e não deve se tornar realidade. Mas, mesmo que você não esteja em condições de juntar essa quantia ideal, vale a pena guardar algum capital de giro, por menor que seja.

Além do mais, o uso dele vai muito além disso. O capital de giro é um recurso que serve para manter a continuidade operacional da empresa e, como veremos a seguir, se for bem empregado, pode ajudar a sua empresa a se destacar e a aumentar a competitividade.

Como utilizar o capital de giro em uma boa gestão

O grande erro cometido pela maior parte dos empreendedores é acreditar que sua empresa não precisa de capital de giro simplesmente porque o negócio lucra constantemente.

Mas o que eles deixam de levar em consideração é que o aumento das vendas costuma levar também ao aumento dos custos. Isso, por sua vez, aumenta a necessidade de pagamentos antecipados a fornecedores, e faz crescerem os gastos com matéria-prima ou com o material indispensável para oferecer determinado serviço.

A verdade é que toda empresa, não importando o seu tamanho, deve ter esse tipo de fundo e ser disciplinada ao utilizá-lo e mantê-lo.

Caso contrário, você vai passar pela triste situação que aflige muitos empreendedores: a de perceber que a demanda pelo seu produto ou serviço aumentou e que você não tem os recursos necessários para atendê-la.

Outra prática ruim é usar o capital de giro para cobrir alguma despesa e não repor o mesmo valor logo que um pagamento entrar no caixa. O objetivo é sempre restituir a quantia original para que você não passe nenhum mês sujeito a imprevistos.

As consequências da falta de capital de giro

Os problemas da ausência de uma reserva desse tipo são os mesmos que qualquer falha de planejamento. A verdade é que, sem um fundo de segurança, você perde estabilidade e competitividade.

Afinal, se a sua empresa começa a crescer, é porque ela conseguiu aumentar a capacidade de investimento, o que significa que você tem recursos para absorver os riscos que corre.

Veja outras consequências negativas de administrar o seu negócio sem um capital de giro:

  • atrasos constantes nos pagamentos, o que leva os seus fornecedores a cobrarem juros e diminui a sua lucratividade;
  • pouca flexibilidade para receber dos seus clientes. Por exemplo, se você não tem capital de giro, começa a pensar duas vezes antes de oferecer serviços a prazo, o que pode levar seus consumidores a buscar os concorrentes e diminuir a sua competitividade;
  • atraso no pagamento de salários e desmotivação dos colaboradores;
  • necessidade de recorrer a empréstimos para sair de uma situação financeira negativa. O ideal é que você recorra a eles apenas para investir e aumentar o seu negócio;
  • em casos extremos, é necessário vender bens da empresa para recuperar a saúde financeira, o que reduz o seu patrimônio e pode influenciar negativamente na expansão do seu negócio.

No fundo, o capital de giro é uma das melhores ferramentas para a sua empresa evitar o caos financeiro. Ele com certeza está no grupo de medidas que distingue os pequenos empreendimentos dos grandes.

Além, claro, de ser um fator que vai influenciar positivamente o seu crescimento no médio e no longo prazo.

Em outras palavras: compreenda a necessidade do capital de giro e esteja preparado para tornar-se cada vez mais profissional. Agindo assim, você evita analisar sua empresa pensando apenas no lucro imediato que ela apresenta e começa a investir no crescimento e no amadurecimento dela!

Sabia que o capital de giro se relaciona intimamente com o fluxo de caixa da empresa? Não conhece esse conceito? Então entenda a importância do fluxo de caixa para pequenas empresas!

Escreva um comentário

Pin It